Pular para o conteúdo principal

Postagens

Food Trucks e outras coisas móveis

Estamos diante de um assunto a se pensar. Criativos, interessantes, propostas novas, Esses são os "food trucks" ou furgões que fornecem comidas e bebidas dos mais variados tipos.

Quando morava em Porto Alegre, uma vez por mês tinha um evento na praça Garibaldi, bairro Cidade Baixa-Azenha, onde pessoas expunham os mais diferentes artigos para venda. E lá estavam os "foods".

E como fica o entorno, o comércio local ? Da mesma maneira. A churrascaria próxima, na Venancio Aires, tinha fila cada vez maior nesses dias, O estabelecimento da cerveja artesanal na José do Patrocínio vendia muito bem e todos estavam contentes,

O comércio fixo se paga com bom atendimento, bons produtos, boa frequencia.

Não importa se um "food" estaciona em frente ao seu estabelecimento que, de acordo com as afirmações anteriores, não irá tirar a sua clientela.

Que sejam bem-vindos os "foods". Eles espantarão os fixos que nos atendem mal.
Postagens recentes

Macaco, baleia, marreca ?

Sou totalmente contra um ser humano ofender os demais. Não faz parte do nosso bom caráter soltar ofensas gratuitas aos outros.

Mas vamos pensar o seguinte: chamar alguém de macaco é tão desastroso que chamar o gordo da escola de baleia, o outro que faz as coisas mais lentamente de tartaruga, o que tem tendencias mais meigas no relacionamento de bâmbi, o cara mais alto da turma de girafa, a menina que caminha de modo diferente de gazela e assim por diante.

Todos esses termos são ofensas. E graves. Deveriam parar qualquer jogo de futebol ou mesmo lotarem as delegacias por coisas banais.

Ser chamado de macaco, o que tem dado mais confusão para os afrodescendentes, deveriam saber que todos somos descendentes de macaco. E um ser humano que ainda não evoluiu poderia ser chamado de macaco fazendo o papel do mesmo que também não evoluiu ao xingar o próximo desse animal.

Também ficaria incomodado de chamasse alguém na rua de negão o qual faz o mesmo feito de outro ser chamado de alemão, polaco…

Chape

A saída do Mancini da Chape vai mais além do futebol. Mexeu com os brios da população local. Mexeu com os brios de quem fez essa potência comercial em apenas 100 anos e um time de futebol que, em pouco mais de 40 anos, saiu do zero para a série A e lá tem se mantido. A troca do técnico foi uma atitude preventiva do desastre que poderia ocorrer mais adiante: a volta à série B. Fato que não combina com a cidade. Já superou-se uma tragédia, atuou em jogos internacionais, ganhou visibilidade mundial e estava na hora de tirar um apagado técnico à beira do campo sem ter a explosão que o time demonstrava dentro. Que venha um agitador, um desbravador. É disso que a Chape e a cidade espera.

Ludopédio

Segundo a tradução literal no dicionário Aurelião,

"Ludopédio pode mesmo considerar-se o sinónimo vernáculo do neologismo futebol. Enquanto o inusual ludopédio se formou do substantivo ludo (jogo, divertimento) + pedio (pé), o generalizado futebol é a forma aportuguesada do vocábulo inglês “foot-ball”.

E foi com esse nome que a empresa de jogos criativos e desafiantes Grow, a mesma que criou o War, elaborou um complexo jogo de futebol onde, na primeira etapa a gente faz o papel de cartola, contratando os jogadores, e, na segunda etapa, parte-se para o campeonato ou para a partida derradeira, caso estejam somente dois participantes.

Além de desafiador, o jogo tem seu lado hilárico na descrição de alguns jogadores. No elenco para a formação dos times encontramos um eclético elenco, dos craques aos pernas-de-pau, cada um com diferentes preço de passes.

E o mais curioso de tudo foi o inventor desse mirabolante jogo. O cantor e compositor brasileiro, Chico Buarque de Holanda, um apaixona…

Voltei !!

Depois de um tempo sem internet em casa, voltarei aos meus comentários que costumo escrever aqui além de crônicas, poesias e demais estilo de comunicação escrita.
Desculpa ter deixado um vácuo mas agora já está sendo preenchido.
Obrigado.

As listas !

Nunca gostei de listas. Elas sempre vem acompanhadas de certa arrogância, principalmente as listas de noivos. Casam e depois querem que os amigos mobilhem a casa deles. Ora, se resolveram casar já sabiam que teriam que ter despesas e o que ficam pedindo nas listas são de responsabilidade de quem tomou a decisão de se juntar.

E o pior de tudo. A gente se esmera em dar um presente legal para o casal e os mesmos se separam. Por que se juntaram para estarem meses ou poucos anos depois nas mesmas condições iniciais ?

Lista de convidados para uma festa: essa é necessária com direito a porteiro barrando quem não foi convidado. Quem não tem aquele amigo de bar que serve pro bar mas nunca iria convidá-lo para uma festa na tua casa ? Nesses casos a lista é necessária.

E o que falar da Lista de Schindler ? Baita cara que fez a sua parte ao livrar da morte muita gente boa e trabalhadora.

Mas a melhor das listas dos últimos tempos tupiniquins foi essa do Fachin. Que tsunami, minha gente ! Que arra…