segunda-feira, março 10, 2014

Os desfiles de carnaval de rua ! Parte 3 (final)

Depois desses relatos saudosistas digo para vocês que meus carnavais de rua acabaram. Tive com meu companheiro de cerveja e rock´n roll uma parceria inusitada que foi a criação do Bloco dos Fantasmas, na praia de Atlântida e que durou 10 anos.

As experiencias com as escolas de samba se deram via televisão e acompanhando de vez em quando. Uma vez que outra presenciando a folia em Capão da Canoa, ao vivo, mas nunca mais voltei a ver carnaval em Pelotas por motivos diversos. O principal deles foi a descaracterização com relação às fases citadas.

A coisa foi pro lado dito profissional, que nunca teve nada relativo ao nome, e impessoal. O contato com o povo ficou cada vez mais afastado e, com certeza, afastou muita gente que apreciava essa festa popular.

As escolas tentaram, e ainda tentam, fazer coisas mirabolantes e esquecendo do calor do povo que aprecia coisas simples e bem feitas. E o principal disso tudo, começaram a fazer letras de samba-enredo difíceis de assimilação e com isso o calor foi se esvairando. Uma que outra escola, de vez em quando, cria um samba que cai na boca do povo e todos vibram com isso.

E a pior parte disso tudo são as criações mirabolantes de carros alegóricos que, muitas vezes, quebram na avenida ou nem conseguem chegar ao local do desfile devido a sua complexidade com a funcionalidade e criatividade deixadas de lado.

Esse foi o meu envolvimento com os carnavais de rua e coloquei como meta um dia sair na bateria de uma grande escola. Aí sim meu ciclo carnavalesco estará completo.

segunda-feira, março 03, 2014

Os desfiles de carnaval de rua ! Parte 2

(continuação da parte um)

Assim como tinha a Bruxa, tinham outros blocos em legais mas que não lembro o nome. Esse me marcou por se ver de longe aquele enorme boneco em forma de Bruxa balançando de um lado pro outro e acompanhando a ótima batucada da bateria.

Lá pelas 21h essa algazarra toda era convidada a abrir espaço para as escolas de samba mais profissionais. E que escolas boas ! Me lembro da Telles, da Ramiro, da Avenida....tinham mais umas 3. Todas de primeira linha e com uma batucada de levantar até cadeirante pro samba.

Um grande detalhe nesses desfiles é que não havia samba enredo e era permitido os metais nas escolas. Para quem não sabe, são instrumentos de sopro que fazem um diferencial tremendo numa batucada pois os mesmos faziam as melodias já que não eram cantadas.

Aquilo era demais. E as músicas que as escolas tocavam eram as bem conhecidas transformadas em ritmo de samba. O grande diferencial disso é que tu já começa o desfile com uma música bem conhecida e que todos apreciavam. Para um carnaval popular de desfile de rua esse é um grande diferencial.

E não era desfile de pobre. As escolas vinham com criativas fantasias, muitas bem luxuosas, tudo bem ensaiado e organizado. O melhor de tudo é que os integrantes desfilavam bem ali na tua frente, quase te encostando. O que separava o público das escolas era uma simples cordinha da Brigada Militar e nada mais.

Como não seria diferente, atrás da bateria mais uma cambada de malucos sambando e desfilando junto com a escola. Uma coisa inesquecível e ensurdecedora pela proximidade da bateria.

(aguardem a parte 3 e final)

Os desfiles de carnaval de rua ! Parte Um

Sempre tive o costume de acompanhar os desfiles de carnaval, inclusive presencialmente. Me lembro muito bem dos carnavais de rua de Pelotas onde meu pai alugava umas cadeiras ou um reduto na rua XV de Novembro e ali a gente ficava das 15h até a última escola de samba desfilar. E como tinham escolas boas e que animavam muito o público. Uma semana inteira de carnaval !

Falo dos anos 60 e 70 . Depois os políticos se encarregaram de acabar com uma fórmula que vinha dando certo. Mas naquele tempo tinham umas particularidades que faziam a alegria de todos. Para melhor entendimento, vou citando por itens:
- os desfiles aconteciam na estreita rua XV de Novembro, no centro da cidade. Como era uma rua bem comprida, tinha lugar para todo mundo assistir ;
- em determinados pontos da rua se alugavam uns redutos com cadeiras de palha. Mas tinham lugares livres gratuitos para todos assistirem ;
- a partir do meio-dia, essa rua era fechada para começar a folia. Ali desfilava quem quisesse. Para não deixar cair a fama da cidade, eram centenas de homens vestidos de mulher que divertiam todo mundo. O negócio era se divertir e soltar a franga. Era muito divertido ;
- o espaço também era aberto a grupos que queriam mostrar seu samba e desfilar na avenida. Não havia cadastro prévio nem nada. Era chegar e desfilar. E tudo ocorria na mais perfeita ordem ;
- os chamados blocos dos sujos é que ocupavam esse espaço. Me lembro bem do Bloco da Bruxa ! Uma enorme bruxa em forma de boneca anunciava que o bloco estava entrando no desfile. Atrás uma porrada de gente usando a fantasia que quisesse, depois vinha a bateria, muito boa por sinal, rolando uma batucada que não deixava ninguém parado e, logo atrás, uma cambada de malucos sambando atrás da escola. Era sensacional ver isso !

Para o blog não ficar muito extenso para ler, vou dividí-lo em partes. A primeira termina aqui !

A Carta

Oi, mãe ! Não sei onde estás nesse momento mas senti necessidade de mandar-te meus parabéns pelo teu aniversário. Essa data será eterna. Sem...