quarta-feira, fevereiro 20, 2019

Coitado do Van Gogh !

Vincent Van Gogh, famoso pintor holandês (o restante sobre ele procurem no wikipedia) foi o homenageado pelo banco Santander, aliás espanhol, a ter o nome de sua ala vip. O lugar dos grandes cliente e atendimentos diferenciado.

A empresa em que trabalho trocou a conta do pagamentos dos empregados. Foi-se a Caixa, entrou o Santander. De cara, minha opinião foi de que trocou 6 por meia dúzia.

Eu já fui gerente de banco. E não um gerente qualquer. Estava no terceiro escalão do banco. Acima de mim estava um diretor, um outro diretor e o dono do banco. E minha frase sempre foi a seguinte, por mais que a gente se esforce a atender uma cambada de clientes heterogêneos mesmo tempo capitais homogêneos: o melhor banco é aquele em que tu és amigo do gerente. E um ótimo amigo.

E os bancos gostam de dar nomes pomposos àquela ala dos que tem mais grana disponível para deixar nos bancos e ver o que acontece. O cartão de crédito é preto e o atendimento beira às trevas, seguindo a cor do cartão.

Vincent Van Gogh, o coitado, deve estar pensando: qual foi o infeliz que resolveu, depois de eu ter morrido, dar meu nome a ala vip do Santander ? Diga-se de passagem que os escolhidos para trabalharem nesse segmento vip do banco não são tão talentosos quanto foi o pintor.  E, na realidade, o atendimento beira a bizarrice.

Os bancos, as empresas, os negócios, os vereadores, etc...deveriam ter mais cuidado às homenagens de quem já se foi e deixou um belo trabalho.

Porto Alegre tem um dos bairros mais violentos e de pior qualidade de vida com o nome de Mário Quintana. Pessoa essa que dispensa comentários e que nos deixou uma obra ímpar de qualidade.

No Rio de Janeiro temos a Vila Kennedy. Coitado do ex-presidente.

E por aí vai.

Estou começando uma vida bancária nova com um pesar enorme do Van Gogh !

Um buteco com seu nome talvez fosse mais honroso.




segunda-feira, fevereiro 18, 2019

As aparências sempre nos enganarão !

Muito interessante um vídeo que circula nas redes sociais, Trata-se de crianças sentadas a frente de dois bonecos. Um branco de olho azul e um negro. As perguntas giram em torno de:
- quem é mais bonito ?
- que gera mais confiança ?
- quem é que tu gostaria de ser amigo ?
E por aí vai.

A pesquisa são com crianças de cor branca, o que já torna a pesquisa tendenciosa. Nenhuma negra foi convidada.

Concluo, então, que crianças brancas são racistas. Provavelmente deve ser o que acontece no lar, na escola, no bairro.

Na UFRGS, quando estudei por lá, dificilmente se via um negro entre os alunos. Hoje existem cotas, as quais sou totalmente contra. As pessoas adquirem suas conquistas pela sua capacidade intelectual e não pela cor da pele.

Ninguém nasce um derrotado mas o meio será determinante para dar o rumo futuro.

Ser negro ou branco é uma simples questão genética. Os dois tem, teoricamente, a mesma capacidade de desenvolvimento humano e profissional.

O que está faltando é o negro conquistar espaços. Caso contrário, as crianças brancas sempre terão uma imagem negativa de pessoas de outra cor.

Quando forem mais grandinhos, verão que nosso congresso é essencialmente de brancos e a grande maioria não presta. Nem para se comprar um carro usado.

terça-feira, fevereiro 12, 2019

Furões de casamentos !

Entrar de furão em um lugar sempre fez parte dos adolescentes mais safados e com mentes procurando perigo e diversão.
Quem conseguisse entrar era olhado pela turma como um líder, um ousado da safadeza e , mesmo não admitindo, os mais certinhos tinham uma certa inveja de não possuir essa índole. Sabiam das represálias posteriores. E a turma dos furões não mediam consequências e administravam depois o que ía acontecer de pior, caso acontecesse.

Como o objetivo era apenas entrar numa festa, num show, num lugar onde a maior parte das pessoas pagaram para estarem ali, a sensação dessa ousadia era de entrar, olhar para todo mundo achando todos uns trouxas e só o furão como espertinho.

Na minha adolescência e início da fase adulta mas com os dois pés no período anterior, eu e meus amigos fizemos muito dessas. Umas bem sucedidas, outras nem tanto.

Mas só o fato de tentar já gerava uma certa ousadia e, ao meu ver, ajudava a formar uma personalidade favorável mais adiante. Vencia-se o medo, alimentava-se a ousadia, exercitava a auto-estima.

Se quem está lendo esse texto já se encontra na fase adulta e nunca sentiu essa sensação, perdeu uma das tantas coisas boas da vida.

Agora é tarde !

domingo, fevereiro 03, 2019

Tragédias, novamente !

Estava lendo na Zero Hora sobre quanto custa a tonelada de minério de ferro: por volta de R$ 237,00. 

Um quarto do salário mínimo faz um verdadeiro estrago em nossas vidas quando armazenados de forma incompetente e criminosa.

Não vejo outro caminho para os responsáveis dessa e de outras tragédias que não seja a CADEIA. A sociedade tem que tirar de circulação pessoas estudadas mas que utilizam de sua inteligência para querer lucrar cada vez mais. Senhores, dinheiro não vai no caixão e de nada vai adiantar seus cartões de crédito pretos. 

Muitas vidas promissoras foram tiradas de um modo estúpido. E garanto que ali, naquele grupo, muitos tinham a filosofia de viver solidariamente, de modo humano, sem querer acumular dinheiro a qualquer custo.

E quanto valem essas vidas perdidas ? Muitíssima mais que 1 tonelada de minério de ferro.

sábado, janeiro 05, 2019

Perdi o sono mas não perdi a memória !

Acordo dia 5 de janeiro, 4 e meia da manhã, e vou ver se minha moderna tv de última geração, Sky oficial, pagamento em dia, está funcionando, pois muitos canais "sumiram". Que maravilha. Se temos histórias para contar para os netos da máquina de fax, os futuros pais terão sobre como um sinal de uma das mais poderosas empresas de tv à cabo, te deixa na mão na hora da ejaculação do filme pornô.

Mais ainda bem que tem o Canal Brasil e esse estava no ar na minha tv de led de marca famosa. E não estava rolando pornô, como de costume.

Estava, sim, rolando um documentário sobre o lendários Circo Voador, instalado no bairro da Lapa no Rio de Janeiro onde só traficantes, prostitutas e a chinelagem humana frequentava.

Ali nasceu um movimento que dura até hoje. 19882. Minha banda de rock estava de formando e fazendo shows mas o Circo ficava há 2.000 km de distância. Era inviável esse deslocamento para fazer um show onde nada se ganharia. Mas seria um grande investimento nos olhares de um visionário empresário.

O documentário do Canal Brasil ainda continua rolando na tv de led de última geração mas não preciso de uma memória RAM adicional para, em lágrimas, me lembrar desse ótimo tempo quando eu estava com 22 anos. No auge da ousadia.

Coitado do Van Gogh !

Vincent Van Gogh, famoso pintor holandês (o restante sobre ele procurem no wikipedia) foi o homenageado pelo banco Santander, aliás espanhol...