segunda-feira, janeiro 10, 2011

A importancia do dedo na cagada

O assunto é estranho mas merece o espaço no blog. Como tem papel higiênico vagabundo. É o que eu chamo do cartel do papel e sabonete pois um não vive sem o outro.

Os caras fazem um rolo com um papel pra lá de ordinário. Se não chega a ser uma lixa, é fininho demais. Acaba que a gente limpa o rabo com o dedo e aí entra o papel do sabonete, por causa do papel.. Uma vez, irritado, depois de dar aquela cagada que uma parte da merda insiste em ficar no meio do caminho, não sai nem volta pra caverna, e não há papel que dê conta limpar essa porcalhada toda. O papel fura e o dedo entra direto no rabo. Uma vez até passei um email para um fabricante desses perfumados, com pontilhados e dupla folha para que o nome de Neve fosse trocado por DedoNoCu. Seria mais realista.

Meia hora depois, já com o sabonete pela metade, ainda se sente o cheiro na ponta do dedo. Vai dizer que não ? Privada tinha que ter jatinho de água morna, um secador e uma borrifada de talco Pom-pom pra finalizar. Homem que é homem tem que cagar e sair com a bunda limpa de um banheiro, caso contrário aquele cheiro que sobe pelas calças e entranha na cueca é pra lá de desconfortável. Estraga o dia do cara.

E se o compromisso seguinte é uma renuião de negócios, tira toda a concentração. A gente tem a impressão que todos olham pra ti e tu pra sola do sapato pra disfarçar e a participação nos negócios vai a zero.

Luvas descartáveis ! Isso mesmo ! Luvas descartáveis pra se limpar em banheiros públicos. Se o papel falhar, pelo menos a luva vai fora. Pela Lei de Murf (sei lá como se escreve) sempre que o papel rasga você não está em casa, teu dedo tá todo sujo de merda e ....não tem água na pia.

Meu próximo banheiro terá água pra se lavar e adeus aos papéis de mal interpretados.

 

Um comentário:

Anônimo disse...

Fantastic! Mensagem Nice, sind meine Blog número 1!
diablo 3 gold

Presidiário candidato !

A história política brasileira está chegando no seu ápice. É só dar liberdade de expressão para os ignorantes do terceiro mundo que a casa v...